Rompimento de cabo deixa assinantes da GVT sem acesso a sites internacionais

 Leitura Recomendada  Comentários desativados em Rompimento de cabo deixa assinantes da GVT sem acesso a sites internacionais
fev 262013
 

A semana não começou boa para a GVT. Desde a segunda-feira (25) clientes da empresa em diversas regiões do país estão encontrando dificuldades em acessar sites e servidores fora do Brasil. O problema parece estar, no entanto, fora da rede da GVT. Especificamente a rede das companhias Level 3 e Global Crossing, que fornecem serviço para a GVT, estão com alguma dificuldade nas suas redes dentro dos EUA. Em nota, a operadora afirma que regularizou a situação.

 

Rota até o serviço Rdio

Rota até o serviço Rdio

Um teste rápido usando ferramentas de rede mostrou que um traceroute para o serviço de streaming de música Rdio, que tem servidores nos EUA, atingiu 25% de perda de pacotes – algo alto para esse tipo de acesso. O mesmo aconteceu com o Twitter e Facebook, que atingiram respectivamente 25% e 33% de perdas em testes executados agora há pouco.

As rotas feitas pelos pacotes também não são nada animadoras: no lugar de chegar pelo cabo submarino em Miami, clientes da GVT estão tendo seu tráfego direcionado por terra – o que indicaria potenciais problemas nos cabos submarinos usados pela empresa. A lista de indisponibilidade de redes [caiu] também acusa problemas. Dentre as cidades afetadas estão São Paulo, Florianópolis, Porto Alegre, Santos, Olinda, Brasília, Maringá, Vitória e Belo Horizonte.

A GVT admitiu o problema em um comunicado enviado às 15h09. De acordo com a operadora, a falha ocorre devido a um rompimento de cabo na região de Santos (SP) decorrente de chuva forte e deslizamento de terra. “A transmissão de dados passou a ocorrer por rotas alternativas, existentes para minimizar o impacto em situações como esta, mas alguns clientes foram afetados.”

Clientes da empresa com dúvidas devem acessar o “Fale conosco” do site ou telefonar para 10325.

Atualizado às 15h44

Tipos de emendas Fibra Óptica

 Clusterweb  Comentários desativados em Tipos de emendas Fibra Óptica
jan 202012
 

Emenda óptica consiste em uma junção permanente ou temporária de duas ou mais segmentos de fibras.  Serve para aumentar a extensão de um cabo óptico, fazer a mudança de tipo de cabo, conectar um equipamento ativo ou fazer manobras em um sistema de cabeamento estruturado.

Existem três tipos de emendas:

Emenda ótica por Fusão

 

Emenda por Fusão

Este processo não é exatamente simples ou rápido, e como o próprio nome diz, consiste em “fundir” uma fibra óptica à outra.

Neste tipo de emenda a fibra é introduzida limpa e clivada na máquina de fusão, para após o alinhamento apropriado, ser submetida à um arco voltáico que eleva a temperatura nas faces das fibras, o que provoca o derretimento das fibras e a sua soldagem. O arco voltáico é obtido a partir de uma diferença de potencial aplicada sobre dois eletrodos de metal. Após a fusão a fibra é revestida por resinas que tem a função de oferecer resistência mecânica à emenda, protegendo-a contra quebras e fraturas.

Após a proteção a fibra emendada é acomodada em recipientes chamados caixa de emendas. As caixas de emendas podem ser de vários tipos de acordo com a aplicação e o número de fibras. Umas são pressurizáveis ou impermeáveis, outras resistentes ao sol, para instalação aérea.

O custo de todo o material necessário para este tipo de emenda é alto, pois o processo de “Emenda Óptica por Fusão” exige um custo alto de investimento nos equipamentos para a sua operação. Entretanto, este processo agiliza as instalações e garante uma grande confiabilidade no sistema.

A clivagem, acima citada, é o processo de corte da ponta da fibra óptica. É efetuada a partir de um pequeno ferimento na casca da fibra óptica (risco), a fibra é tracionada e curvada sob o risco, assim o ferimento se propaga pela estrutura cristalina da fibra. A qualidade de uma clivagem deve ser observada com microscópio.

Emenda Mecânica

Emenda óptica Mecânica

Este tipo de emenda é baseado no alinhamento das fibras através de estruturas mecânicas (desenvolvidas para tal finalidade), que mantém estas fibras posicionadas frente a frente, sem uni-las definitivamente. Neste tipo de emenda as fibras também devem ser limpas e clivadas. Este tipo de emenda é recomendado para um número reduzido de emendas a realizar, pois o custo desses dispositivos é relativamente barato, além de serem reaproveitáveis, porém não é aconselhável utilizá-los em sistemas que exijam uma grande confiabilidade.

 

Emenda óptica por Conectorização

Emenda por Conectorização

Este processo é bem semelhante ao processo de Emenda Mecânica, onde duas fibras devem ser alinhadas e não unidas. Entretanto, em cada fibra é colocado um conector óptico e estes dois conectores são encaixados em um acoplador óptico de modo a tornar possível o alinhamento entre as fibras, sem uni-las definitivamente.

Isto é conseguido através do uso de outro tipo de conector chamado de Adaptador Óptico, esta emenda é executada de forma rápida, desde que os conectores já estejam instalados nos cordões ópticos.

Ele é também muito usado em acessórios ópticos chamados de Distribuidores Ópticos, onde fazem a interface entre um cabo vindo de uma sala de equipamentos e os equipamentos ativos instalados no andar, no Armário de Telecomunicações.

Veja os tipos de conectores para esta emenda clicando aqui.