fev 252019
 

O que é hospedagem de site é um questionamento bastante recorrente para quem quer começar um blog, um site ou uma loja virtual na internet.

Afinal, para você se estabelecer na rede com um projeto online, você precisa deste tipo de serviço para ter uma página permanente na internet. Assim, se você se encaixa em qualquer um destes perfis, saiba que você está no lugar certo.

Mas o que é hospedagem de site? Hospedagem de site é um serviço online que permite a publicação de um site ou aplicação na internet. Quando você adquire uma hospedagem, basicamente você está alugando um espaço dentro de um servidor.

Nele ficam armazenados todos os arquivos e dados necessários para o bom funcionamento do site.

Um servidor é um computador físico que nunca é desligado para que seu site ou aplicação esteja sempre online.

Seu provedor de hospedagem é responsável por manter o site no ar e funcionando, proteger de ataques maliciosos e transferir seu conteúdo (texto, imagens, arquivos) do servidor até o navegador do visitante.

Continue reading »

fev 122019
 

The Instant Scan depends on the inotify watches system, provided by the Linux Kernel.

Every Linux installation has a specific amount of inotify watches set by default.

If you want to know how many inotify watches your system has, execute the next command:

cat /proc/sys/fs/inotify/max_user_watches

You will need one inotify watch per watched directory. Thus, the more directories on the server, the greater the amount of things that will be needed.

You can increase the number of inotify watches performing the next command:

CentOS/RHEL/CloudLinux/Debian/Ubuntu:
echo fs.inotify.max_user_watches=999999 | tee -a /etc/sysctl.conf && sysctl -p

Increase the number 999999 as your needings.

Apache: No space left on device: Couldn’t create accept lock

 Apache2, Clusterweb, ClusterWeb, Debian, Hospedagem, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Ubuntu  Comentários desativados em Apache: No space left on device: Couldn’t create accept lock
fev 112019
 

The service “httpd” appears to be down.

OK just to give an update on this thread, so hopefully it helps someone else in the future.

Apologies in advance to any Level 18 Fire Breathing +5 SysAdmins; this is noob stuff :)

The cPanel team examined my server and determined that Apache had ran out of Semaphores.

Each time HTTPD crashed it didn’t release the semaphores and eventually my server ran out (I had 128). The cPanel team kindly cleared down the “locked” semaphores as follows:

Continue reading »

Como alterar o Hostname no Ubuntu

 Clusterweb, ClusterWeb, Linux, Ubuntu  Comentários desativados em Como alterar o Hostname no Ubuntu
fev 072019
 

Como posso mudar o hostname no Ubuntu ou Ubuntu Server usando a linha de comando?

Neste tutorial vamos mostrar um exemplo para modificar o nome do host (hostname) do seu ubuntu:

Como ver o hostname atual do seu Ubuntu:

hostname

Alterando o hostname temporariamente:

hostname meu-novo-hostname

Continue reading »

Configurando um endereço IP estático com Netplan

 ClusterWeb, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Redes, Ubuntu  Comentários desativados em Configurando um endereço IP estático com Netplan
fev 072019
 

Abaixo seguem as etapas para configurar um endereço IP estático com o Netplan. Os arquivos de configuração do Netplan estão localizados no diretório /etc/netplan/. O padrão do arquivo de configuração é /etc/netplan/01-netcfg.yaml.
Abra o arquivo de configuração com um editor:

sudo nano /etc/netplan/01-netcfg.yaml
A sintaxe de configuração é na linguagem de programação Python (formato .yaml), de modo que a indentação das linhas é importante!

Aqui está um exemplo para um endereço IPv4 estático 192.168.1.100 na primeira interface de rede ens33 e gateway IP 192.168.1.1. O servidor usará os servidores DNS gratuitos do Google 8.8.8.8 e 8.8.4.4 para a resolução de nomes.

Continue reading »

dez 072018
 

CONFIGURANDO O APACHE2 DO PRIMEIRO SERVIDOR

Vamos começar instalando o apache2 e algumas libs:

 sudo apt-get install apache2 php7.2 libapache2-mod-php7.2
$ sudo apt-get install libapache2-mod-auth-mysql php7.2-mysql
$ sudo apt-get install apache2-prefork-dev

Habilitando os módulos do apache para o redirecionamento e para o proxy pass:

 sudo a2enmod env proxy_ajp proxy_balancer proxy proxy_connect proxy_http rewrite ssl headers

Para desabilitar os mods basta usar:

 sudo a2dismod [nome-dos-módulos]

Agora iremos criar o arquivo na pasta do apache2:

 sudo nano /etc/apache2/sites-available/meuSite

Continue reading »

How To Configure Bind as a Caching or Forwarding DNS Server

 CentOS 7 / RHEL 7, Clusterweb, ClusterWeb, Debian, Dns, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Redes, Segurança, Ubuntu  Comentários desativados em How To Configure Bind as a Caching or Forwarding DNS Server
set 272018
 

Introduction

DNS, or the Domain Name System, is often a difficult component to get right when learning how to configure websites and servers. While most people will probably choose to use the DNS servers provided by their hosting company or their domain registrar, there are some advantages to creating your own DNS servers.

In this guide, we will discuss how to install and configure the Bind9 DNS server as a caching or forwarding DNS server on Ubuntu 14.04 machines. These two configurations both have advantages when serving networks of machines.

Continue reading »

How to Setup OpenVZ 7 on CentOS 7

 CentOS 7 / RHEL 7, Clusterweb, ClusterWeb, Linux, Profissional de TI, Redes, Ubuntu, Virtualização  Comentários desativados em How to Setup OpenVZ 7 on CentOS 7
set 172018
 

OpenVZ is a free open source software that provides container-based virtualization solution for Linux. OpenVZ 7 is the latest version of OpenVZ out there and it comes with Red Hat Enterprise Linux 3.10 kernel. This post is all about how to setup OpenVZ 7 on CentOS 7.x servers.

One Kernel, Many VM’s

OpenVZ creates multiple secure, isolated Linux containers (otherwise known as VEs or VPSs) on a single physical server enabling better server utilization and ensuring that applications do not conflict. Here, all the Linux containers share a single Kernel. Each container performs and executes exactly like a stand-alone server; a container can be rebooted independently and have root access, users, IP addresses, memory, processes, files, applications, system libraries and configuration files.

Continue reading »

set 082018
 

UMA PEQUENA INTRODUÇÃO

 

Linux utiliza um mecanismo de gerencia o as funções de hardware. Este mecanismo conversa com o hardware do computador por uma camada de abstração chamada HAL (Hardware Abstraction Layer), que é parte componente dos subsistemas do Linux.

As ferramentas pm-utils (Power Manager Utils) e systemd (System and Service Manager) fazem parte do conjunto de softwares da freedesktop.org e são as responsáveis por executar a função sleep, que é composto pelas operações SUSPEND, HIBERNATE, HYBRID_SUSPEND e HYBRID_HIBERNATE. Todas tem a função que restaura a volta ao sistema (RESUME|THAW|POST).

Por exemplo, se o usuário fechar a tampa do notebook (LID CLOSE ACTION), o sistema irá executar uma das funções sleep que está configurada para esta ação. Ao abrir a tampa, o sistema irá executar a função de RESUME.
Continue reading »

ago 172018
 

INTRODUÇÃO

 

A rede Tor é o que comumente chamamos de deep web, onde é possível encontrar diversos sites que não são indexados pelo Google e algumas outras ferramentas. A rede Tor é composta por um grupo de servidores voluntários que permite que as pessoas naveguem com privacidade e segurança.

Quando um usuário usa o navegador Tor, são realizadas diversas conexões com túneis virtuais até a destino original ser alcançado. Isso permite que você navegue em redes públicas sem comprometer a sua privacidade na rede. Na rede Tor é possível que você publique seu site sem precisar revelar sua atual localização. A principal ideia do Tor Project é ajudar as pessoas em países onde existe censura e monitoramento da internet, possibilitando assim que você se conecte de forma anônima.
Continue reading »

ago 162018
 

O QUE É INTEL GVT-G

 

Intel GVT (iGVT, Intel® Graphics Virtualization Technology) é uma solução desenvolvida pela Intel para permitir que parte ou toda a capacidade das GPU (Graphics Processing Unit) Intel seja cedida para convidados KVM ou Xen, suas implementações chamadas KVMGT e XenGT, respectivamente. Há três formas diferentes de se aplicar a tecnologia iGVT:

  • Aceleração gráfica virtual dedicada (iGVT-d): um convidado por GPU;
  • Aceleração gráfica virtual compartilhada (iGVT-s): múltiplos convidados por GPU;
  • GPU virtual: (iGVT-g): múltiplos convidados por GPU. Nesse artigo, será dado foco nessa implementação.

Intel GVT-g (ou iGVT-g, Intel® Graphics Virtualization Technology-g) é uma tecnologia que permite criar GPU virtuais que podem ser utilizadas por convidados KVM ou Xen. Dependendo da quantidade de memória RAM disponível e da fatia de memória dada a cada convidado, é possível ter até sete convidados utilizando a mesma GPU Intel.

Através dela, é possível criar máquinas virtuais capazes de utilizar as capacidades de codificação e decodificação de vídeo da Intel (Intel QSV e/ou VAAPI), é possível utilizar a aceleração 3D para o uso de programas de CAD (Computer Aided Design) e jogos. Tudo isso dentro do convidado e ainda permitindo ao hospedeiro utilizar a GPU.
Continue reading »

jul 182018
 

Se você quer usar o WhatsApp no seu sistema, sem ficar preso a um navegador, conheça e veja como instalar o WhatsApp Desktop no Linux.

WhatsApp Desktop é um cliente de desktop WhatsApp não oficial de código aberto para Linux construído com o Framawork Electron, que é um conteiner de serviços web. Ou seja, ele é uma janela de navegador autônoma que usa o WhatsApp Web.

Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux
Descubra como instalar o WhatsApp Desktop no Linux

O programa oferece todas as características que seus clientes contemporâneos fazem, incluindo notificações de desktop nativas e suporte para atalhos com teclado, bem como opções extras, por exemplo, suporte para a folha de estilo CSS personalizada.

Continue reading »

jun 222018
 

INTRODUÇÃO

Pretendo abordar nesse tutorial a migração das máquinas virtuais do Citrix XenServer para o ProxMox. Por mais que a versão 6.2 do Citrix XenServer tenha se tornado 100% opensource, nunca fiquei 100% satisfeito com o XenCenter (ferramenta de gerenciamento do Citrix XenServer) ser disponibilizado apenas para Windows. Com isso,  fui obrigado a ter uma máquina virtual com Windows apenas para gerenciar os servidores Citrix Xen. Assim, surgiu o interesse em migrar para o KVM (Kernel-based Virtual Machine) que possui várias ferramentas de gerenciamento. Por considerar mais prática e intuitiva, a escolha feita foi pelo ProxMox VE.

 

EXPORTANDO A VM DO XENSERVER

É inegável que  XenCenter seja muito intuitivo. Mas na maioria das vezes, o procedimento de exportação de VM (Menu: VM>Export) não funciona corretamente:
citrix-export-error

Continue reading »