jul 052020
 

A mágica do GNU/Linux muitas vezes acontece sem que você tenha sequer uma interface gráfica para uso amigável, porém, o shell (ou o terminal) também tem suas malícias para agilizar o seu trabalho.

Você pode trabalhar com várias aplicações ao mesmo tempo sem ter que terminar o que estava fazendo para iniciar uma nova tarefa, isso graças aos comandos “jobs”, “fg” e “bg”. “Jobs” significa “Trabalhos” e serve para exibir tudo o que você está fazendo no shell do GNU/Linux mas que está em segundo plano. Claro, você precisa mandar as tarefas para segundo plano para poder utilizar o comando “jobs”.

“fg” (foreground) serve para trazer as tarefas que estão em segundo plano para o primeiro plano, assim você pode continuar fazendo o que estava fazendo anteriormente.

Já a última opção, “bg” (background) serve para continuar executando tarefas em segundo plano, para que o shell fique livre e você possa executar outras tarefas sem interromper a tarefa anterior.

Vamos ver alguns exemplos práticos para que você entenda melhor.

Continue reading »

jun 182020
 

INTRODUÇÃO

O objetivo de um mecanismo de replicação de dados é permitir a manutenção de várias cópias idênticas de um ­­­­mesmo dado em vários servidores de bancos de dados (SGBD). Os principais benefícios da replicação de dados são a redundância, o que torna o sistema tolerante a falhas, a possibilidade de um balanceamento de carga do sistema, já que o acesso pode ser distribuído entre as réplicas, e finalmente, ter-ser o backup online dos dados, já que todas as replicas estariam sincronizadas. Este artigo, apresenta uma introdução ao mecanismo de replicação do MySQL, bem como as configurações básicas para realização desta tarefa.

VISÃO GERAL DA REPLICAÇÃO

O MySQL permite um tipo de replicação conhecido como Master-Slave, onde temos um servidor atuando como master e um ou mais servidores atuando como slave. O master grava em um log binário de alteração todos os comandos de atualizações da base de dados. Desta forma, todas as alterações ocorridas no master são imediatamente replicadas para os outros servidores slave.

A replicação no mysql é principalmente compatível com a anterior, isto é, um servidor mais novo pode normalmente ser um escravo de um servidor mais velho sem nenhum problema. Porém, versões mais antigas dos servidores são, freqüentemente, incapazes de servir como slaves de versões mais novas, pois eles não podem entender novas características ou a sintaxe SQL que o servidor mais novo utiliza, e pode haver diferenças no formato dos arquivos que a replicação usa, por exemplo, você não pode replicar de um master MySQL 5.0 para um slave MySQL 4.0.

Continue reading »

FreeNAS – Como implantar um certificado SSL

 Clusterweb, FreeNAS, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Programação, Redes, Segurança, SSL  Comentários desativados em FreeNAS – Como implantar um certificado SSL
abr 122020
 

Uma das coisas mais importantes nesse tipo de caso é ter segurança quando ativamos os serviços de compartilhamento de espaço, seja FTP, armazenamento de objetos etc. É por isso que hoje, vamos ver como implantar um certificado SSL Let’s Encrypt sobre o FreeNAS 11.x.

Conexão SSH ao nosso FreeNAS 11.x

O primeiro passo será poder acessar nosso FreeNAS via SSH, para isso iremos para a parte de serviços e, no SSH, clicaremos em Ações para editar as opções:

Continue reading »

Instalar a ferramenta de administração de banco de dados PHPMyAdmin

 Apache2, CentOS 7 / RHEL 7, Clusterweb, ClusterWeb, Debian, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Programação  Comentários desativados em Instalar a ferramenta de administração de banco de dados PHPMyAdmin
set 132019
 

Desde o Debian 10, o PHPMyAdmin não está mais disponível como pacote .deb. Portanto, vamos instalá-lo a partir da fonte.

Crie pastas para o PHPMyadmin:

mkdir /usr/share/phpmyadmin
mkdir /etc/phpmyadmin
mkdir -p /var/lib/phpmyadmin/tmp
chown -R www-data:www-data /var/lib/phpmyadmin
touch /etc/phpmyadmin/htpasswd.setup

Continue reading »

jul 202019
 

Se você possui contas Google Drive, Dropbox, OneDrive e outras opções, veja como fazer para usar vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser no Ubuntu, Arch Linux e derivados.

 

Use vários serviços de armazenamento na nuvem com RcloneBrowser

Continue reading »

jul 162019
 

Introdução

O Proxmox VE 6.x introduz vários novos recursos principais. Planeje cuidadosamente a atualização, faça e verifique os backups antes de começar, e teste extensivamente. Dependendo da configuração existente, várias etapas manuais, incluindo algum tempo de inatividade, podem ser necessárias.

Nota: Um backup válido e testado é sempre necessário antes de iniciar o processo de atualização. Teste o backup antecipadamente em uma configuração de laboratório de teste.

Caso o sistema seja personalizado e / ou use pacotes adicionais (por exemplo, GlusterFS) ou quaisquer outros repositórios / pacotes de terceiros, assegure-se de que esses pacotes também sejam atualizados e compatíveis com o Debian Buster.

Em geral, existem duas maneiras de atualizar um sistema Proxmox VE 5.x para o Proxmox VE 6.x:

  • Uma nova instalação em um novo hardware (e restauração de VMs do backup)
  • Uma atualização in-loco via apt (passo-a-passo)

Em ambos os casos, é necessário esvaziar o cache do navegador e recarregar a página da GUI após a atualização.

Continue reading »

Executando aplicativos como serviço no Windows

 Clusterweb, ClusterWeb, Leitura Recomendada, Profissional de TI, Programação, Windows  Comentários desativados em Executando aplicativos como serviço no Windows
jul 122019
 

Neste post iremos criar um novo serviço no Windows, assim toda vez que iniciar o Windows esse serviço será inicializado automaticamente.

Para criar o serviço no Windows, utilizaremos uma aplicação simples chamada de NSSM (Non-Sucking Service Manager).

 

Configuração utilizada:

  • Versão do Windows Utilizada: Windows 8.1 Pro e Windows Server 2012 R2 Standard
  • Versão do NSSM utilizado: nssm 2.24 (2014-08-31)

 

Baixando o NSSM

 

Para fazer o download acesse o site: https://nssm.cc/download , será baixado um arquivo “nssm-2.24.zip”, descompacte para uma pasta de sua preferência.

 

Vá até o diretório descompactado e acesse a pasta win64 ou win32 dependendo da sua versão do Windows, pelo Prompt de comando na pasta execute o seguinte comando “nssm.exe”, a saída deve ser parecida com a figura abaixo:

 

 

 

Continue reading »

jul 102019
 

How posso instalar e usar uma prisão FreeBSD gerenciar chamado iocage no servidor FreeNAS a partir da linha de comando? Como faço para criar a cadeia FreeNAS com o comando iocage?

iocage é uma ferramenta de jail ou gerenciador de contêineres para o FreeBSD. Ele também está disponível no sistema NAS baseado no FreeNAS. Ele vem com alguns dos melhores recursos e tecnologias que o sistema operacional FreeBSD tem a oferecer. A ferramenta iocage fornece facilidade de uso com uma sintaxe de comando simples e fácil de entender para o gerenciamento de jails. Esta página mostra como gerenciar o FreeNAS Jails com a opção de linha de comando iocage.

Etapa 1 – Login no servidor FreeNAS

Use o comando ssh: Torne – se um usuário root usando o comando sudo: Encontre o endereço IP do seu servidor FreeNAS e o nome da interface, digite: Anote sua interface de rede real. Você deve ativar, ou seja, definir um zpool ativo para uso iocage. Meu nome zpool é nixcraft (use para obter uma lista de zpool), então eu corro:
ssh [email protected]
ssh [email protected]

$ sudo -i

# ifconfig
FreeNAS encontrar endereço IP e nome da interface
zpool list
# iocage activate nixcraft

 

Continue reading »

maio 242019
 

PRELIMINARES

 

Um pouco da história sobre este estudo.

Resolvi criar este artigo devido à dificuldade em encontrar material de apoio sobre como utilizar o script “ghettoVCB.sh” para efetuar snapshots de máquinas virtuais de servidores ESXi 5.0, de forma automatizada.

O script ghettoVCB é simples, prático e fácil de configurar na sua forma básica (caminho_destino + número_cópias), que é o que, na prática, todo administrador precisa (efetuar snapshot das máquinas virtuais quentes salvando no destino desejado).

E é com este intuito que escrevi este tutorial. O meu objetivo era montar uma solução *FREE* automatizada para snapshot das VMs, utilizando recursos simples e básicos.

Para isso, utilizei também um servidor (em VM) Ubuntu Server 11.04 64 bits. Neste material, cito a possibilidade de backup através de um servidor NFS na rede, mostrando de forma simples e objetiva, como instalar e configurar este recurso.

Resumindo, este artigo trata da minha experiência na configuração do script, efetuando snapshot das VMs quentes, com agendamento programado em um servidor GNU/Linux com Ubuntu Server 11.04, salvando as snapshots em um case de HD conectado à porta USB da máquina física ESXi e também em um storage com FreeNAS instalado em máquina física através de NFS e iSCSI.

Como abordo de forma simples o script ghettoVCB, sugiro visitar a comunidade VMware para informações específicas sobre o funcionamento da ferramenta:

dez 072018
 

CONFIGURANDO O APACHE2 DO PRIMEIRO SERVIDOR

Vamos começar instalando o apache2 e algumas libs:

 sudo apt-get install apache2 php7.2 libapache2-mod-php7.2
$ sudo apt-get install libapache2-mod-auth-mysql php7.2-mysql
$ sudo apt-get install apache2-prefork-dev

Habilitando os módulos do apache para o redirecionamento e para o proxy pass:

 sudo a2enmod env proxy_ajp proxy_balancer proxy proxy_connect proxy_http rewrite ssl headers

Para desabilitar os mods basta usar:

 sudo a2dismod [nome-dos-módulos]

Agora iremos criar o arquivo na pasta do apache2:

 sudo nano /etc/apache2/sites-available/meuSite

Continue reading »

jun 192018
 

ESTRUTURA DA TABELA E INSERÇÃO DE REGISTROS

O intuito deste artigo é compartilhar um pouco da minha experiência com migração de arquivos BLOB em um banco de dados Oracle para sistema de arquivos utilizando Python.

Antes de efetivamente partirmos para o código de migração, vamos ver os dados de acesso e como será a estrutura da tabela.

Utilizo os seguintes dados de acesso para o esquema no Oracle:

  • user: desv
  • pass: 123456
  • service name: xe
  • IP do host onde está o SGBD do Oracle: 192.168.1.131

Vamos utilizar a estrutura da tabela a seguir:

CREATE TABLE TB_ARQUIVO (
	COD_ARQUIVO           NUMBER PRIMARY KEY,
	DTHINCLUSAO           DATE NOT NULL,
	ARQUIVO               BLOB,
	DS_ARQUIVO            VARCHAR2(50 BYTE),
	DS_PATH_ARQUIVO       VARCHAR2(255 BYTE)
);

Continue reading »

jun 102018