Transferir a instalação do Windows 7 para um novo computador

 Clusterweb, ClusterWeb, Leitura Recomendada, Profissional de TI, Windows  Comentários desativados em Transferir a instalação do Windows 7 para um novo computador
mar 222019
 

Sintomas


Neste artigo, explicamos como usar a Ferramenta de Preparação do Sistema (Sysprep) para transferir a instalação do Windows 7 para um novo computador e manter os aplicativos instalados, as configurações de programas e os perfis de usuários.

Resolução


Se você adquiriu um novo computador ou planeja fazer trocas de hardware significativas, como da placa-mãe ou da placa de vídeo (GPU), é possível preparar seu sistema para continuar a utilizá-lo com o novo hardware sem a necessidade de reinstalar o sistema operacional e os aplicativos, conservando assim seu perfil de usuário existente.

Etapa 1: Preparar o sistema
Etapa 2: Iniciar o sistema no novo hardware

Continue reading »

Qual a principal razão para migrar para a nuvem?

 Clusterweb, ClusterWeb, Leitura Recomendada, Linux, Nuvens, Profissional de TI  Comentários desativados em Qual a principal razão para migrar para a nuvem?
fev 282019
 

No mercado de hoje e no cenário de TI que estamos contemplando ultimamente, é comum que você já tenha feito esta pergunta: por que minha empresa também precisa migrar para a nuvem? Qual a principal razão para isso? O que irei ganhar, o que vai mudar e o que motiva meus negócios a aderirem também a esta tendência que tem se tornado global?

Hoje, nossa intenção é ajudar você a responder esta pergunta da forma mais simples possível. Vamos começar dizendo o básico: o porquê de ser fundamental. Hoje em dia, as empresas que não migram para a nuvem tendem a permanecer num modelo de negócios mais limitado, menos ágil e menos integrado com as ferramentas modernas de gestão, organização e manutenção de dados, o que pode lhe fazer aos poucos ir perdendo espaço e capacidade produtiva. Em outras palavras, a principal razão de optar pela mudança é justamente a de manter vantagem competitiva da empresa. Eis a seguir os principais motivos e benefícios disto:

Continue reading »

Como o servidor em nuvem impacta a segurança da sua empresa?

 Clusterweb, ClusterWeb, Leitura Recomendada, Profissional de TI  Comentários desativados em Como o servidor em nuvem impacta a segurança da sua empresa?
fev 282019
 

A segurança é um dos pontos de destaque de um servidor em nuvem. Há diversos fatores que contribuem para isso, como a ausência do risco de roubo ou dano de equipamentos, além do isolamento de dados vindos de conexões não-seguras, por exemplo.

Mais do que isso, porém, o servidor em nuvem garante vantagens para seu negócio porque conta com o aporte de uma empresa especializada e de uma equipe capacitada para fazer a gestão e garantir a segurança e acessibilidade dos dados em diversos níveis.

Ficou interessado e quer saber mais a respeito? Acompanhe!

Continue reading »

How To Configure Bind as a Caching or Forwarding DNS Server

 CentOS 7 / RHEL 7, Clusterweb, ClusterWeb, Debian, Dns, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI, Redes, Segurança, Ubuntu  Comentários desativados em How To Configure Bind as a Caching or Forwarding DNS Server
set 272018
 

Introduction

DNS, or the Domain Name System, is often a difficult component to get right when learning how to configure websites and servers. While most people will probably choose to use the DNS servers provided by their hosting company or their domain registrar, there are some advantages to creating your own DNS servers.

In this guide, we will discuss how to install and configure the Bind9 DNS server as a caching or forwarding DNS server on Ubuntu 14.04 machines. These two configurations both have advantages when serving networks of machines.

Continue reading »

ago 162018
 

O QUE É INTEL GVT-G

 

Intel GVT (iGVT, Intel® Graphics Virtualization Technology) é uma solução desenvolvida pela Intel para permitir que parte ou toda a capacidade das GPU (Graphics Processing Unit) Intel seja cedida para convidados KVM ou Xen, suas implementações chamadas KVMGT e XenGT, respectivamente. Há três formas diferentes de se aplicar a tecnologia iGVT:

  • Aceleração gráfica virtual dedicada (iGVT-d): um convidado por GPU;
  • Aceleração gráfica virtual compartilhada (iGVT-s): múltiplos convidados por GPU;
  • GPU virtual: (iGVT-g): múltiplos convidados por GPU. Nesse artigo, será dado foco nessa implementação.

Intel GVT-g (ou iGVT-g, Intel® Graphics Virtualization Technology-g) é uma tecnologia que permite criar GPU virtuais que podem ser utilizadas por convidados KVM ou Xen. Dependendo da quantidade de memória RAM disponível e da fatia de memória dada a cada convidado, é possível ter até sete convidados utilizando a mesma GPU Intel.

Através dela, é possível criar máquinas virtuais capazes de utilizar as capacidades de codificação e decodificação de vídeo da Intel (Intel QSV e/ou VAAPI), é possível utilizar a aceleração 3D para o uso de programas de CAD (Computer Aided Design) e jogos. Tudo isso dentro do convidado e ainda permitindo ao hospedeiro utilizar a GPU.
Continue reading »

jun 292017
 

INTRODUÇÃO GERAL – EXEMPLOS E CONSELHOS

 

Artigo sobre uma das técnicas para ter um sistema GNU/Linux inteiro utilizando a rede TOR em uma máquina cliente.

Pode ser muito útil para quem queira utilizar o TOR com wget, curl, nmap etc. Ferramentas de rede em modo texto, ou mesmo gráfico, com o TOR/rede TOR. Este não é um artigo técnico ao extremo, é suficientemente técnico para a compreensão do funcionamento geral de um sistema “Torificado” como, por exemplo, o Tails OS.

Lembro que a segurança do sistema que veremos aqui (e de qualquer outro, de forma geral) depende de muitos fatores, como criptografia das conexões, resolução de DNS, as chaves utilizadas e, principalmente, do ser humano que o opera.

Requisitos gerais:

  • Sistema GNU/Linux
  • TOR
  • POLIPO proxy HTTP
  • IPtables
  • Manipulação de arquivos de configuração
  • Noções de redes, Proxys
  • Conexão com a internet
  • Vontade de aprender, muita leitura e trabalho duro (kkkk)

Continue reading »

maio 092017
 
Atenção:

  • O aparelho utilizado nunca havia sofrido alguma instalação de Custom ROM;
  • Utilizado o Xubuntu 16.04;
  • Faça backup de segurança;
  • Você irá perder a garantia do aparelho ao desbloquear o BOOTLOADER;
  • Testado apenas com Moto G1 XT1033;
  • Não me responsabilizo e nem a empresa Lineage OS, caso algo de errado com aplicação dos métodos abaixo.

BREVE HISTÓRICO

Recentemente, a empresa CyanogenMod anunciou seu afastamento do mercado de Android, não sei ao certo o que realmente levou a empresa a realizar esse afastamento. Porém, deixou anunciado também que outra empresa iria substituir suas atividades.

A empresa LineageOS, a princípio, parecia uma empresa que não iria aguentar um mês, pois não havia financiamentos (não sei se possui atualmente), não havia muitos funcionários, somente parte dos quais que já estavam atuando nos projetos da Cyanogen.

MOTIVOS QUEM ME LEVARAM A INSTALAR

Utilizava o Android 5.1 padrão de fábrica da Motorola, além de estar com a ROM instalada desde 2014. O celular de fato já não funcionava como deveria, então decidi instalar a ROM da Cyanogen e, para minha surpresa, estava com as portas fechadas. Pesquisei e acabei descobrindo a história contada a cima, mas chega de enrolação vamos ao que interessa…

Continue reading »

jun 292015
 

O jnettop é uma ferramenta muito interessante desenvolvida por Jakub Skopal, trata-se de um visualizador de trafego de rede. Com ele é possível acompanhar em tempo real o trafego de entrada e saída de uma interface, saber as portas envolvidas na sessão e conhecer também a banda consumida por cada requisição.

Atualmente o jnettop é suportado por muitas distribuições com pacotes RPM e DEB, mas se sua distribuição não suporta esses pacotes isso não é nenhum empecilho, pois trata-se de um programa muito simples, e mesmo uma pessoa sem experiência em compilação poderá instala-lo.

O nome jnettop tem origem no tradicional comando top usado largamente em vários sistemas unix, este tem como objetivo mostrar em tempo real o comportamento dos processos na maquina, exibindo os recursos consumidos, o tempo de execução e outras informações. O jnet tem origem na primeira letra do nome do autor do código (Jakub) seguida de net, abreviação de network. Em português pode parecer difícil falar jnettop, mas pelo contrário é muito simples, a pronuncia correta é jei-net-top. Continue reading »

PORQUÊ A MASCOTE DO LINUX É UM PINGUIM

 Clusterweb, ClusterWeb, Leitura Recomendada, Linux, Profissional de TI  Comentários desativados em PORQUÊ A MASCOTE DO LINUX É UM PINGUIM
abr 072015
 

A ORIGEM DO TUX

O símbolo do software foi escolhido pelo seu criador, Linus Torvalds, que um dia estava no zoológico e foi surpreendido pela mordida de um pinguim. Fato curioso e discutido até hoje.

COMO TUDO COMEÇOU

Em 1996, muitos integrantes da lista de discussão “Linux-Kernel” estavam discutindo sobre a criação de um logotipo ou de um mascote que representasse o Linux. Muitas das sugestões eram paródias ao logotipo de um sistema operacional concorrente e muito conhecido (Windows). Outros eram monstros ou animais agressivos.

A ESCOLHA DA MASCOTE

Linus Torvalds acabou entrando nesse debate ao afirmar em uma mensagem que gostava muito de pinguins. Isso foi o suficiente para dar fim à discussão. Depois disso, várias tentativas foram feitas numa espécie de concurso para que a imagem de um pinguim servisse aos propósitos do Linux, até que Larry Ewing sugeriu a figura de um “pinguim sustentando o mundo”.

Em resposta, Linus Torvalds declarou que achava interessante que esse pinguim tivesse uma imagem simples: um pinguim “gordinho” e com expressão de satisfeito, como se tivesse acabado de comer uma porção de peixes.

Configurando um DNS para a intranet

 Clusterweb, ClusterWeb, Dns, Linux, Redes, Ubuntu, Windows  Comentários desativados em Configurando um DNS para a intranet
nov 212014
 

Essa mesma configuração pode ser usada para criar um servidor DNS particular, para a sua rede local. Com isso você poderá acessar todos os micros através de nomes de domínio, como na internet, em vez de ficar decorando endereços IP. Isso pode ser um grande facilitador em redes de médio porte, onde já não é prático saber de cor os endereços de todos os micros.

Nesse caso, você pode “registrar” seus domínios da forma como quiser, seja criando um domínio fictício, ou usando um domínio registrado e atribuindo subdomínios aos micros da rede.

Seu domínio principal pode ser, por exemplo, “viazap”, com cada micro recebendo um subdomínio, como em “administracao.viazap”, “contabilidade.viazap” e “vendas.viazap”. Desse modo, ao rodar o comando “ssh vendas.viazap”, por exemplo, você se conecta ao PC especificado, a partir de qualquer um dos outros micros da rede, sem precisar especificar o IP. Continue reading »